Vale Occidental

Costa Rica

Na encantadora Costa Rica o cultivo do café é o verdadeiro orgulho nacional para os “Ticos” – concentra-se na Meseta Central, uma vasta área de planaltos com férteis terrenos vulcânicos, onde vive mais da metade da população. O Vale Ocidental é a sua porção mais para o Oeste. Esta região parece ter sido criada “especialmente para o café”: as altitudes entre 800 e 1400 metros, uma umidade quase constante de 81% e a temperatura média de cerca de 21° favorecem cultivações flóridas e sadias.

No Vale Ocidental chove cerca de 160 dias por ano; no início da estação seca, em novembro, inicia a colheita do café, que dura até fevereiro e geralmente se desenvolve em um festivo clima natalício. A maioria dos cultivadores desta zona possuem pequenas plantações e seguem práticas agrícolas e de processamento sustentáveis. Isto também garante à sua Arábica os aromas e o perfeito balanceamento entre acidez e corpo pelos quais é tão famosa em todo mundo.

N/A°

Lydia Matamoros

Costa Rica

monoarabica Lydia Matamoros
:
Lydia Matamoros
:
Vale Occidental
:
2005

É uma manhã ensolarada como tantas em Monte Rosa. De sua janela, Doña Lydia Matamoros domina toda a plantação; a luxuriante extensão de plantas de café e as frutas cítricas espontâneas que lhes fazem sombra enchem os olhos de luz.
Lydia fala da sua terra com uma voz fresca, tem uma risada amigável e cheia de vida. A sua história está cravada no território de Naranjo, na região do Vale Ocidental. Foi lá que em 1932 seu avô Juan Manuel concretizou o sonho de adquirir uma propriedade. Com a central hidroelétrica criada para as suas terras, também foi o primeiro a iluminar completamente o condado de San Carlos, que até então tinha ficado parcialmente no escuro.

Muitas temporadas se passaram desde então e algumas atingiram duramente a atividade de família. No ano 2000 uma crise do setor pôs em dúvida a sobrevivência da plantação; Lydia e o marido decidiram comprar toda a propriedade de família e dedicar a própria vida ao café: abandonaram tudo e se transferiram para cá com os filhos.
Hoje Doña Lydia abençoa aquela escolha; agora nada a torna mais feliz do que ver a sua família crescer na fazenda.
Hoje de manhã, enquanto bebia o seu café, de cima observava os gestos dos colaboradores de Monte Rosa. Juntos, optaram por um pacto de lealdade com a terra, para assegurar estabilidade para si próprios e sustentabilidade ao lugar onde vivem.
Como a luz que Juan Manuel trouxe pela primeira vez para estes campos, para todos eles o café será sempre vida.