PRAZER EM TODOS
OS SENTIDOS

illy

OS CINCO SENTIDOS

Com um pouco de concentração é possível descobrir um mundo de sabores numa xícara de excelente café espresso. Degustar, na verdade, significa saborear com consciência, integrando o prazer sensorial e o intelectual. Significa captar os refinamentos do aroma e do sabor, numa viagem repleta de memória e fantasia.

OLFATO

As primeiras ondas de aroma são liberadas quando o café atinge os 80°C e se mistura para permitir que o perfume, atravessando a cobertura de creme, se misture ao ar. São notas frescas e leves de flores e frutos, dentre eles o jasmim e a amêndoa. Uma segunda onda chega depois de prová-lo, quando a percepção do olfato detecta aromas mais fortes como a manteiga, o pão quentinho ou o chocolate. É o que geralmente se denomina de “sabor”.

PALADAR

A temperatura ideal para a degustação é de aproximadamente 65ºC. É preferível não acrescentar açúcar para não alterar o sabor, já que o espresso perfeito tem um equilíbrio exato de notas doces, amargas e ácidas. Um pequeno gole é suficiente para apreciar a sua plenitude.

TATO

Somado ao aroma, o “corpo” distingue o espresso de qualquer outra preparação e oferece uma agradável sensação de cremosidade e suavidade aveludada.

AUDIÇÃO

Um expresso é comparado à frequência a uma peça musical, metaforicamente, embora composta por notas aromáticas. Ao se concentrar na sensação de harmonia proporcionada pelo espresso, é possível “ouvir” o café. Cada um se identifica com um tom diferente.

VISÃO

Um espresso perfeito é reconhecido de imediato. A xícara de porcelana branca emoldura o creme: uma delicada camada em tons de avelã, entrecortada por finas estrias avermelhadas.
Se o creme é castanho-escuro, com pontos brancos ou com um buraco no meio, há algo de errado: o tempo de extração foi longo demais, o café foi moído muito fino, ou tanto a temperatura quanto a pressão estavam altas. Em condições contrárias, o espresso apresenta um creme claro e inconsistente.