PESSOAS E HISTÓRIAS

ARAPONGA

Edio Anacleto Mirando ganhou o Prémio illy para a melhor qualidade do café em 2007. Uma boa parte do prêmio de trinta mil dólares foi investida na plantação: “Comprei um secador mecânico, um presente para a minha mulher, para a casa, e para meus dois filhos que ainda estudam. Eu só estudei até o terceiro ano do primário.” Edio criou um lago usando águas subterrâneas e reutiliza os resíduos da produção transformando-os em fertilizante orgânico.

MANHUAÇU

Os irmãos Ednilson e Walter Dutra estudaram agronomia em Viçosa e estiveram na Universidade illy em São Paulo. Fazem parte da Associação do Café de Minas Gerais. Hoje em dia, Wagner, um funcionário que trabalha para a associação, está investindo na compra de terrenos e dentro de alguns anos poderá ter a sua fazenda. “Quanto mais gente houver, mais a qualidade será defendida”, disse Wagner, “a cada ano a procura de alta qualidade sobe 10%”.

CRISTINA

Sebastião Afonso da Silva vive na plantação com 14 irmãos e as suas famílias. Trocou o cultivo de arroz e de banana, de pouco rendimento, pelo cultivo de café. Depois de apenas dois anos ganhou o 18° Prémio illy.

YIRGACHEFFE

Na Etiópia, lugar de origem do café, a família Legesse é fornecedora da illy desde o início dos anos 90 e apoia pequenos produtores locais. Illy contribuiu para o desenvolvimento das comunidades, construindo uma rua e duas linhas elétricas para fornecer luz e água a mais de 60.000 pessoas, além de apoiar a construção de escolas, clínicas rurais para a distribuição de medicamentos e também a construção de estações de rádio, televisão e telefone.